Transição capilar: o meu antes e depois

Há algum tempo venho pensando em escrever sobre minha transição capilar, mostrar o meu antes e depois, que foi uma mudança radical no meu cabelo. Há pouco menos de dois anos, resolvi abandonar o uso do cabelo liso e o alisamento com formol e escova progressiva e passei a assumir meus cachos como eles são naturalmente.

Meu cabelo não crescia o suficiente, não tinha brilho e as pontas eram extremamente finas e quebradiças sempre. Esse era o resultado do alisamento químico + descoloração + secador e chapinha. Não há cabelo que aguente.

Apesar de fazer a progressiva e a descoloração em média duas vezes por ano, ainda assim não era o suficiente pro cabelo se recuperar. Então decidi partir para a famosa transição.

Fiquei seis meses sem química, mas não queria passar por aquela situação toda de ter o cabelo com duas, três texturas e fazer tratamentos que no final, eram dinheiro jogado fora pois as pontas quimicamente modificadas estavam praticamente mortas e não ia adiantar nada.

Respeito demais quem consegue passar anos em transição, cuidando e deixando a parte nova brotar, mas eu precisava de uma medida mais radical. E são dois problemas que me fizeram optar pelo corte. Que são:

O que é big chop?

É assim: depois que você começa a transição capilar, é normal o seu cabelo ficar dividido: começa a nascer cabelo cacheado ou encaracolado (dependendo do seu tipo de cabelo natural) e a outra parte do cabelo continua lisa por causa da química, como te falei. É como se você tivesse dois cabelos em uma única cabeça. E de verdade, é bem difícil conciliar isso, porque por mais que você procure um bom finalizador, ele nunca será suficiente para igualar as duas texturas.

Esse tipo de corte de cabelo virou uma prática constante justamente para facilitar esse processo. É comum muitas mulheres também sofrerem com essa diferença de visual por não conseguirem se arrumarem de uma maneira que considerem bonito. Enquanto os cabelos crescem, é difícil dar textura para a parte que ainda está alisada e o cabelo pode parecer uma bagunça. Existem várias influencers e profissionais muito bons no assunto que podem te ajudar a finalizar o cabelo de uma maneira legal. É só você clicar aqui na palavra  #bigchop que você acha tudo no Instagram. Eu sigo a Thais Nascimento uma profissional excelente, que foi quem me ajudou no processo de aceitação e cuidado do meu cabelo. A Duda Guerra, que sempre tem dicas incríveis de novos produtos e testa todos trazendo um feedback bacana sobre a grande maioria de produtos disponíveis no Brasil e a Sarah Renautt que mostrou passo a passo como foi o longo processo de transição dela.

Cabelo com duas texturas

Meninxs, eu até tinha uma certa facilidade para escovar o cabelo e manter a textura da raiz “disfarçada” mas aí vinha a questão da agressão pelo calor do secador e da chapinha, que destroem o cabelo tanto quanto a progressiva. Outra coisa que se você está acostumada com o cabelo liso é difícil demais abandonar, persistindo assim nas agressões ao seu cabelo e couro cabeludo. Quanto mais calor, somado à química da progressiva, mais a fibra do seu cabelo se fecha e menos nutrientes de tratamento penetram nele.

Fator encolhimento

O cabelo cacheado, se tratado, cresce tanto ou mais que o liso, só que temos um ponto que colabora ainda mais pra que não vejamos o resultado do crescimento do cabelo cacheado. Os cachinhos fazem “molinhas” e essas curvas fazem com que não percebamos o quanto ele cresceu e demora muito pra que ele pese e mostre comprimento.  E quando se está nessa fase da transição, a partir do momento que você decide que não quer mais alisar, o que a gente mais quer é ver resultados.

E não adianta, por mais que falem que o cabelo volta da química com o tempo, vai por mim, ele não volta. A única e absoluta maneira de eliminar a química da estrutura do cabelo é o corte. Foi então que eu parti pro bigchop.

Voltando… Fiquei seis meses sem química, que já era o tempo normal da minha pausa e tive um crescimento de uns 5 centímetros de cabelo, o que significava no final, uma voltinha de cacho.

Da esquerda pra direita: na primeira foto, um truque pra dar volume, na segunda foto, usei alongamento, na terceira, como ele estava frágil e fino.
Da esquerda pra direita: na primeira foto, um truque pra dar volume, na segunda foto, usei alongamento, na terceira, como ele estava frágil e fino.

Olhem como meu cabelo tava. Na primeira foto, dei um truque pra dar volume. Na segunda, apelei para um alongamento de tic-tac, daqueles que é só prender no cabelo. Na terceira, dá pra ver o quanto ele tava frágil e fininho. E era isso que me incomodava tanto. Porque meu cabelo estava acabando.

Da esquerda pra direita: primeira foto, turbantes e faixas, acessórios que amo colocar no cabelo, segunda foto, trança nagô, terceira foto, cabelo ganhou um certo volume, mas somente na raiz
Da esquerda pra direita: primeira foto, turbantes e faixas, acessórios que amo colocar no cabelo, segunda foto, trança nagô, terceira foto, cabelo ganhou um certo volume, mas somente na raiz

Durante a transição optei por diversas alternativas para usar o cabelo, o que pode ser uma boa opção pra você que não tem dificuldade de lidar com as duas texturas e gosta de mudar sempre o visual. Mas confesso que chega a um ponto que pagar trancista, penteados e acessórios pra toda vez que for sair, fica bem caro. Na primeira foto, um artigo que não abandonei mesmo após cortar o cabelo: turbantes e faixas. Eu amo e ajudam muito durante o período da indecisão. Na segunda foto uma trança nagô pra um evento onde eu precisava estar com o cabelo impecável a noite inteira. E isso pra quem está em transição e transpira muito é impossível. Na terceira foto, foi o melhor que eu consegui depois de ter comprado mil produtos para finalizar o cabelo. Vocês podem observar que ele ganhou um certo volume, mas somente na raiz. As pontas continuavam levemente onduladas e ralas.

 

Fotos da última semana antes do corte
Fotos da última semana antes do corte

Essas fotos são da última semana antes do corte. Quando o cabelo tá semi preso, dá pra gente ver melhor a diferença da raiz pro resto. E o quanto cresceu. Mas a finalização não dura muito tempo porque normalmente ela é feita pra uma textura de cabelo e o meu tinha duas. E logo em seguida, ele perde a forma e fica “bonito” como na terceira foto.

Como vocês puderam perceber, eu passei por todo o processo, mesmo tendo apenas seis meses em transição. Novamente, admiro muito quem consegue, mas eu não consegui e quer saber? Foi meu grito de liberdade. Me libertei de secador, de chapinha, de produtos químicos. Me libertei de dar satisfação de um cabelo, aos olhos alheios, perfeito sempre, alinhado e liso. Eu senti que estava indo contra os propósitos que regem a filosofia que eu acredito: de nos aceitarmos exatamente como somos. Abandonei o liso com uma sensação legal de gratidão, lembrando que também fiquei bonita no período que usei assim e vida que segue. Era uma nova fase. E cortei. TUDO!

Apesar do corte bem curto, cabelo ainda ficou com pontas lisas
Apesar do corte bem curto, cabelo ainda ficou com pontas lisas

Como vocês podem perceber, apesar de ter cortado meu cabelo no comprimento mais curto que eu podia, ele ainda ficou com pontas lisas, que não definiam também, mesmo com a finalização correta. Comecei a usar produtos específicos para o meu tipo de curvatura e ainda assim ele ficou por 6 meses com essas pontinhas. Mas com o tempo, a gente aprende a lidar com elas e arrumar melhor.

Nessas fotos, após seis meses de bigchop
Nessas fotos, após seis meses de bigchop

É fundamental a escolha de produtos que cuidem de verdade do cabelo que tá nascendo. Parei definitivamente com o secador, shampoo convencional, condicionadores com silicones e parabenos e fiz um cronograma acompanhado por profissional que me deu um resultado incrível em pouco tempo. Nessas fotos eu tinha seis meses de bigchop e ele cresceu muito.

Como vocês puderam ver, são muitas fases que envolvem o período de transição mesmo fazendo o bigchop logo no início do processo. No oitavo mês, fiz outro corte, pra tirar o restinho das pontas que ainda estavam lisas, apesar delas já terem se habituado à nova rotina de tratamento. E aí sim eu comecei a entender melhor o meu cabelo e conhecer a primeira característica pós bigchop: a mudança de curvatura. Mas isso é assunto pro nosso próximo post, onde eu vou trazer as etapas e os produtinhos que usei, ok ?

Beijo e até a próxima!